"NÓS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA, NÃO QUEREMOS SER QUALIFICADOS E SIM OS MELHORES"

SUA PROTEÇÃO É A NOSSA PROFISSÃO

SUA PROTEÇÃO É A NOSSA PROFISSÃO

27 de mar de 2010

PREVENÇÃO DE CRISE: COMO IDENTIFICAR SINAIS DE MÁ ADMINISTRAÇÃO NA SUA EMPRESA

SEGURANÇA PRIVADA
Nós profissionais da área de segurança privada já ouvimos falar ou tivemos a infelicidade de ver ou participar de empresas do ramo de vigilância fechar suas portas da noite para o dia, e nós colaboradores dessas empresas não conseguimos entender como tudo aconteceu, pois estas empresas atuavam a anos no mercado. Para saber melhor como tudo ocorre deixo abaixo esta matéria com maiores esclarecimentos. Os problemas financeiros enfrentados pelas empresas são muitas vezes antecedidos por um trabalho gerencial ou operacional insatisfatório, com dificuldades de andamento. Reflexos comuns das falhas empresariais são, por exemplo, os atrasos nos pagamentos, pagamentos em cartório, perda de capital de giro, endividamento bancário crescente, endividamento de curto prazo e perda de linhas de crédito no banco. O problema está na demora para se diagnosticar o que está errado e adorar uma estratégia de recuperação. Esta lentidão, ou, em alguns casos, falta de conhecimento, condena principalmente as pequenas e médias empresas. Alguns problemas podem ser precoces e ter uma solução bastante viável. Porém, a demora em identificá-los pode levar a uma falha aguda dentro da empresa, mais séria e com recuperação mais difícil. As falhas na gerência. Entre os indícios iniciais da carência gerencial de uma empresa, pode se destacar o estilo de gestão tipicamente familiar. De acordo com o consultor Fábio Bartolozzi Astraukas, isso não significa necessariamente a presença de diversos parentes no organograma, mas sim um tratamento da empresa similar ao feito com o ambiente de casa. Isso pode ser detectado quando o administrador leva questões e problemas de ordem familiar para o ambiente corporativo, por exemplo. O conhecimento nas áreas de marketing e finanças também é fundamental para uma boa administração da empresa. Mesmo com possibilidades simples de reversão do quadro, este tipo de deficiência, ela é normalmente percebida quando já existe a falta de formulação de novas estratégias dentro de um timing adequado. Além disso, assumir responsabilidades dentro de uma área que não é de seu domínio, pode levar o gestor da empresa a tomar decisões erradas ou de alto risco. Funcionários novos e antigos – A alta rotatividade de funcionários, assim como seu extremo: funcionários muito antigos-, também é sinal de que algo vai errado. Quando a empresa não tem uma linha de ação bem definida, um direcionamento, ele cria um ambiente confuso e inseguro para seus trabalhadores, que buscam uma recolocação em pouco tempo. O problema de gestão também está presente quando as equipes de trabalho não são renovadas há tempos. O problema não está na presença de um funcionário por anos dentro da companhia, mas sim na falta de renovação de idéias que se estabelece. Esta acomodação da empresa não renova técnicas ou padrões de conduta e não absorve novidades do mercado. O treinamento, neste caso, é útil, porém não o suficiente. CONSEQUÊNCIAS :
- Quando o gestor interrompe constantemente o andamento de seu trabalho para cuidar de assuntos urgentes, algo está errado. Segundo Astraukas, este já é um sinal avançado das deficiências internas, uma mostra que o tempo e os recursos não estão sendo bem administrados. O empresário deve ter o tempo para sentar e planejar ações, assim como prazos para tomar decisões, assim como traçar planos. A falta disso o impede de contornar e prever dificuldades e oportunidades a médio e curto prazo, segundo o consultor. A pressa também é um fator que leva a decisões erradas e perigosas para a firma. Como reflexo da sobrecarga constante na agenda dos executivos. Astraukas aponta o estresse pessoal e da equipe, que absorve o descontrole gerencial. O empresário também deve ficar atento ao excesso de reuniões e ao alto grau de tensão e desentendimentos durante as discussões das tarefas. PROBLEMAS OPERACIONAIS:
– Para diagnosticar se a parte operacional da empresa está sendo eficiente, é possível observar a organização e o desempenho da área frente aos projetos. A perda de pedidos ou contratos por conta de atrasos no cronograma de entrega olhar para frente e evitar futuros problemas de caixa. Faturamento em queda, ou estagnado, também sinaliza problemas à vista, assim como a diminuição das margens de contribuição, ou seja, a relação entre o custo fixo de produção e o faturamento. Para que estas variações financeiras não afetem a saúde da empresa, a controladoria tem um papel importante e fundamental em diagnosticar rapidamente as mudanças. Esta área deve analisar e apontar deficiências ou cuidados a serem tomados. Se este controle interno não for bem exercido, será só uma questão de tempo até as falhas financeiras surgirem, segundo diz Fábio Astraukas. Desta forma, é possível apontar o que é necessário aos setores da empresa agir com prontidão e agilidade às mudanças e tendências de mercado, aproveitando oportunidades para o crescimento e saúde financeira da organização. OPINIÃO AOS COLABORADORES QUE ATUAM EM EMPRESAS: -Aos profissionais que atuam neste ramo de segurança como colaboradores destas empresas, eu ASP Paulo Mello deixo aqui alguns indícios e dicas de como você pode identificar a má administração na sua empresa e bem como pode estar sendo prejudicado. Um dos principais direitos que você deve acompanhar é o seu FGTS que deve estar em dia e que pode estar atrasado apenas 2 meses depósito, verifique também se há muitas ações trabalhistas na justiça, se ocorrem atrasos de pagamentos constantes de benefícios como V.A + V.T, se o almoxarifado da empresa não repõe e nem fornece peças do uniforme para troca quando solicitado, se sua supervisão e gerencia operacional não dá atenção necessária ao cliente e vigilante quando solicitado, verifique junto a órgãos públicos como DRT, Receita Estadual, INSS se o pagamento de taxas está em dia. Caso você constate algumas dessas irregularidades acima fique atento pois pode ser que sua empresa esta passando por dificuldades financeiras e qualquer momento pode passar a ser uma “massa falida” do mercado. A dica pessoal é que você não fique mais do que cinco anos numa empresa, pois até mesmo para um devido acerto você não vai ganhar tanto assim, e se você em cinco anos não cresceu profissionalmente faça uma análise pessoal e verá com certeza que não está tendo benefício nenhum em ficar. Após esse tempo tente um acordo pessoal ou peça para ser demitido quando houver uma redução no quadro de funcionários, geralmente este tipo de demissões ocorre logo após os dissídios anuais o qual são demitidos alguns funcionários, caso não consiga sua demissão ou acordo, não desanime e nem deixe cair sua auto-estima e profissionalismo, continue trabalhando como um bom profissional tente permanecer no seu posto de serviço aguardando assim a contratação de uma nova empresa que vai assumir o qual poderá convidá-lo para participar da equipe. No mais boa sorte à sua empresa e um bom trabalho, ficando sempre em QAP a seus direitos. Fonte: revista SESVESP Autor da matéria: Júlia Reis é articulista do site Informoney. Opinião pessoal a colaboradores que atuam em empresa: ASP Paulo Mello
Publicado: http://segurancaprivadadobrasil.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...