"NÓS PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA, NÃO QUEREMOS SER QUALIFICADOS E SIM OS MELHORES"

SUA PROTEÇÃO É A NOSSA PROFISSÃO

SUA PROTEÇÃO É A NOSSA PROFISSÃO

24 de jan de 2012

PLANO DE SEGURANÇA PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO.


SEGURANÇA PRIVADA
Todo momento que um evento de grande impacto ocorre, surgem os questionamentos com foco na segurança, tais como: a empresa tinha uma boa segurança, as pessoas são bem treinadas, como isso pode ocorrer. São perguntas que logo surgem e que buscam um culpado, que muitas vezes é o gestor de segurança. Mas será que este profissional existe; se existe, será que foi ouvido; a empresa tem um plano de segurança. Neste artigo iremos abordar, de maneira sucinta, o plano de segurança para instituições de ensino.
Antes de abordarmos o plano de segurança, é importante passarmos pela definição de planejamento. Planejar é definir metas e os meios necessários para alcançá-las. Além disso, é um processo de tomar decisões e competência intelectual, é uma questão de atitude. O processo de planejar é composto de três passos: aquisição de entrada, processamento de dados e elaboração de plano. Cada um desses passos é um processo em si, envolvendo diagnóstico, avaliação de alternativas e escolha de um caminho. No primeiro passo devemos buscar informações sobre o presente, passado ou futuro dos ambientes externo (ameaças e oportunidades) e interno (pontos fortes e pontos fracos). Processamento de dados significa transformar informação para produzir novas informações e decisões. A transformação é feita por meio de: interpretação do significado das informações; identificação de alternativas para lidar com os pontos fortes, pontos fracos, ameaças e oportunidades e avaliação das alternativas e escolha do caminho. O último passo é a elaboração de planos. Em essência, um plano é o registro das decisões resultantes do processamento dos dados de entrada. De uma maneira geral, um plano apresenta no mínimo os seguintes pontos: metas; definição de meios para realizar as metas e previsão dos meios de controle. Estamos falando do ciclo PDCA (planejar, executar, controlar e agir corretivamente ou normatizar). Os planos podem ser classificados de diversas maneiras. Uma das formas mais comuns de classificação é o critério da permanência, que classifica os planos em temporários e permanentes. Os temporários extinguem-se quando as metas são alcançadas e contêm decisões não programadas. Os permanentes contêm as decisões programadas, que devem ser usadas em situações predefinidas (exemplo: política, plano preventivo de segurança, plano contingencial de segurança etc.). Para desenvolver o plano de segurança preventivo e contingencial para uma instituição de ensino é necessário que exista uma compreensão organizacional. Entender o negócio e as limitações para as ações de segurança, como a questão do controle de acesso e da cultura. Em relação ao controle de acesso, não podemos esquecer que, normalmente, existem locais nas instituições de ensino que são de acesso ao público (exemplo: área de alimentação), ou seja, não temos como controlar o acesso. No que se refere à cultura, não podemos esquecer que na maioria das instituições não existe cultura de segurança. Outros pontos importantes são a compreensão e identificação de: atratividade, vulnerabilidade, oportunidade e criticidade. Atratividade é o poder de atração que a instituição exerce sobre o criminoso, direcionando-o para a prática de um tipo específico de crime. Vulnerabilidade é a característica ou ponto fraco que a instituição possui que facilita a concretização de riscos. Oportunidade é o melhor momento para a ação. Criticidade é o estado do que é crítico, do que está em crise ou perigo, ou seja, como normalmente teremos várias atratividades, oportunidades e vulnerabilidades, iremos estabelecer prioridades de proteção no plano de segurança. O diagnóstico (ambiente externo e ambiente interno) da instituição tem que ser criterioso, pois ele fornecerá as informações necessárias para a análise de risco. A partir desta análise e tendo como referência o negócio deve ser desenvolvido com critério o planejamento: tático, técnico e operacional. No tático os subsistemas do sistema preventivo de segurança serão dimensionados. Os subsistemas mais importantes são: controle de acesso, CFTV, recursos humanos, barreiras físicas, comunicação, normas e procedimentos e iluminação. Todos os equipamentos e recursos tecnológicos utilizados nos diversos subsistemas serão especificados no planejamento técnico. E no operacional, serão estabelecidos as normas e procedimentos. A gestão de recursos humanos é outro ponto importante, pois o recrutamento, seleção, acompanhamento, treinamento e demissão são processos muitos importantes para o sucesso empresarial e também para o sistema de segurança. Também importante, principalmente na instituição de ensino superior, é que os alunos possuam carteira de identificação e os veículos possuam identificação visível. Nos planos preventivo e contingencial de segurança não podemos deixar de considerar a população fixa e flutuante. A quantidade de alunos, professores e visitantes varia muito nos turnos (matutino vespertino e noturno). Normalmente a equipe administrativa é reduzida. Esta realidade deve ser considerada, principalmente no plano contingencial, nas ações de evacuação e estruturação das equipes de continuidade operacional e de emergência. Outra dificuldade encontrada em relação ao plano contingencial é a implementação de simulação, pois não temos no Brasil esta cultura. Nos Estados Unidos, deste a escola primária, a simulação de evacuação faz parte da rotina. Segurança é coisa séria e necessidade básica, conforme estabelece Maslow na sua pirâmide de necessidades. Apesar de ser atividade complementar (meio), é importante para o sucesso empresarial. Para alcançar suas metas o sistema de segurança precisa ter um planejamento muito bem estruturado e constantemente atualizado. A sua gestão tem que ser estratégica, mas este é assunto para outro artigo. Sucesso.
Autor: Nino Ricardo Meirelles É especialista em consultoria e gestão e recursos humanos. nrmconsult@hotmail.com
Fonte: www.portaldaseguranca.com.br


Um comentário:

  1. como faço para compra um distintivo e carteira para vigilante? mandem resposta para o meu email alcivanviolinista@hotmail.com

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...